Nesse pequeno versículo da carta aos Filipenses o aposto Paulo nos faz uma advertência muito importante. Não estejais inquietos por coisa alguma, isso quer dizer, não fique espiritualmente agitado, angustiado, ansioso por nenhum motivo. Porque quando nos estragamos a esse estado de espírito, das preocupações e apreensões em demasia, entraremos em uma outra faixa vibratória, estaremos vibrando fora da frequência divina, fora da frequência dos bem feitores. E a probabilidade de atrairmos mais problemas para a nossa vida se torna maior. Emmanuel nos alerta na mensagem não te inquieteis dizendo que a inquietação:

    “Na maioria das vezes, está presente no erro de cálculo que compromete a construção, na dosagem inadequada do remédio que se transforma em veneno, no acidente infeliz ou no desastre da via pública. É quase sempre um espinho no lar, um cáustico no ponto de vista, uma brasa no caminho e uma pedra na profissão. É por ela que, muitas vezes, pronunciamos a expressão descabida e articulamos o julgamento falso a respeito dos outros. Com ela, geramos preocupações enfermiças e arruinamos a estrada própria.”

Em uma outra mensagem que se encontra também no livro palavras de vida eterna capítulo 146 Emmanuel vai nos dizer que quando sintonizamos com as coisas ruins que ainda acontecem na terra nós abrimos porta para a inquietação em nós. Vale a pena ouvirmos as palavras do próprio bem feitor acerca do tema: “Urge, no entanto, não dar, aos acontecimentos contrários à harmonia da vida, qualquer atenção, além da necessária. Basta empregar exageradamente a energia mental, num escândalo ou num crime, para entrar em relação com os agentes destrutivos que os provocaram. Ofereçamos ao repouso restaurativo ou à resistência ao mal mais tempo que o tempo indispensável e cairemos na preguiça ou na cólera que nos desgasta as forças.
Se consumimos alimento deteriorado, rumamos para a doença; se repletamos o cérebro de preocupações descontroladas, inclinamo-nos, de imediato, ao desequilíbrio.
Imunizando-nos contra semelhantes desajustes, exortou-nos o apóstolo Paulo:

    “Não estejais inquietos por coisa alguma. Como a dizer-nos que compete a nós outros, os que elegemos Jesus por Mestre, a obrigação de andar no mundo, ainda conturbado e sofredor, sem gastar tempo e vida em questões supérfluas, prosseguindo, firmes, na estrada de entendimento e serviço que o Senhor nos traçou.”