Meus irmãos, essa passagem nos convida à reflexão sobre o porquê da existência de nossos sofrimentos e qual deve ser nossa postura diante deles. Nesse sentido, a Doutrina Espírita nos esclarece que sofremos devido ao fato de que no passado descumprimos a Lei Divina e a dor e o sofrimento vem como uma ferramenta que nos auxilia a resgatar nossas faltas. Sobre essa temática, Léon Denis, nos afirma que “a dor é uma lei de equilíbrio e educação”.
Por isso, Jesus afirma que os que choram são bem-aventurados, pois recebem de Deus a dádiva bendita de resgatarem seus débitos. Sobre isso, Allan Kardec, no O Evangelho Segundo o Espiritismo, nos afirma que “Deveis considerar-vos felizes por sofrerdes, visto que as dores deste mundo são o pagamento da dívida que as vossas passadas faltas vos fizeram contrair; suportadas pacientemente na Terra, essas dores vos poupam séculos de sofrimentos na vida futura”.
Mas é importante ressaltar que a resignação deve ser nossa companheira nos momentos de dores, pois essa fala de Jesus se direciona a aqueles que passam pelas dificuldades sem murmurar, esses sim receberão o consolo.
Diante das problemáticas recordemos as palavras consoladoras do mestre Jesus e pensemos na mensagem de Joanna de Ângelis, no livro Fonte de Luz: “Mantém-te confiante, mesmo sofrendo, e transforma tuas ansiedades em gratidão a Deus, por haver estabelecido diretrizes diferentes das tuas que te farão realmente feliz para sempre. Deixa-te, pois, arrastar pelas mãos do sofrimento digno e converterás lágrimas em sorrisos, tristezas em júbilos, frustrações em pacificação interna, arrimado em Jesus, que nunca te abandonará. Dor bendita que liberta e sublima, louvada sejas!”
Tenham todos um bom dia! Que assim seja!

REFERÊNCIAS:
Leon Denis, O problema do ser, do destino e da dor, 17 ed., p. 372.
Joanna de Ângelis, psicografia de Divaldo Franco, Fonte de Luz, Ed 1ª premium, p.160.
Allan Kardec, O Evangelho Segundo o Espiritismo, Capítulo V “Bem-aventurados os aflitos”, 131 ed., p. 86.